Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

7 coisas que aprendi com a escolha do meu vestido de noiva

o que aprendi com a escolha do meu vestido de noiv

Finalmente, VESTIDO ESCOLHIDO! Mas não, não é o da foto.

Depois de 5 lojas, 1 atelier e 1 modista, finalmente escolhi o vestido de noiva! Mais um check na lista, já não era sem tempo! A primeira prova será daqui a 8 meses (ainda falta tanto...). É só um vestido, é verdade, mas para a grande maiora das mulheres, especialmente as mais vaidosas como eu, trata-se de um elemento essencial para que nos sintamos bem no dia do casamento e do qual nos vamos lembrar para toda  vida. Além disso, os olhos dos convidados vão estar postos na noiva e, consequentemente, no vestido, por isso, convém que a escolha do penteado, da maquilhagem e, principalmente, do vestido, seja o reflexo da personalidade da noiva e do estilo pretendido para o casamento.

Como qualquer pessoa, não sou perfeita, longe disso, por isso, cometi uma série de erros na busca incessante pelo vestido perfeito.  Para que não falhem nos mesmos pontos que eu, cá vão algumas das lições que aprendi com os meus próprios erros na escolha do vestido de noiva. 

 

1. Leva pessoas, mas não demasiadas

É importante experimentar vestidos com pessoas que sejam importantes para a noiva (e.g. mãe, irmã, amiga), mas levar demasiadas pessoas pode confundir a noiva, pois acabam por ter opiniões demasiado dispersas acerca dos vestidos. Penso que mais do que 4 torna-se demasiado.

 

2. Não escolhas o 1.º e nem o 99.º

Como comecei a experimentar vestidos quando ainda faltava um ano e meio para o casamento acabei por ganhar gosto pela experiência. O problema foi quando o tempo começou a apertar e tive que fazer uma escolha com base numa panóplia de modelos, texturas, cores e feitios. Por isso, agradeço imenso a santa paciência das minhas amigas (a adorável Sissi, a persistente Ritinha e a serena Fara) e da incansável madrinha/irmã e mãe, que respiraram fundo todas as vezes que eu fazia uma nova marcação!

 

3. Livra-te do sutiã

Por muito tímida que seja a noiva, o melhor a fazer é despir o sutiã. Vi noivas com vestidos lindos com costas incríveis, umas rendadas, outras com decote, mas com o sutiã...que coisa horrível. A noiva acaba por não conseguir visualizar o resultado final. O ideal é estar com uma roupa interior semelhante a que se pretende usar no casamento e, por isso, se o vestido não permitir o uso de sutiã o melhor a fazer é abdicar dessa peça nas provas de vestido. Quanto à cueca, não se preocupem, com tanto tecido ela até pode ser fuschia com bolinhas douradas que não se vai ver absolutamente nada (a não ser que estejamos a falar de um vestido muito justo e/ou com transparência)!

 

4. Não vás cheia de pré-conceitos

Quando comecei a minha procura pelo vestido queria algo justo, justíssimo, super sexy, com brilhos, renda e mais algum elemento surpresa. Resultado? Experimentei vestidos "princesa", cor-de-rosa (a cor que menos gosto e, portanto, que nunca imaginei experimentar), curtos, cheios de tule, clássicos, básicos, enfim, trinta por uma linha. A verdade é que aquele que pensei ser o "tal" foi, na realidade, uma desilusão, não me assentava bem e tinha "demasiadas coisas a acontecer" ao mesmo tempo. O melhor é ir com algumas ideias, mas não se limitem a elas, explorem os vossos horizontes, deixem-se surpreender. Experimentem um vestido de cada modelo, depois tomem uma decisão em relação ao favorito.

 

5. Define quanto queres gastar antecipadamente

Não cometam o mesmo erro que eu, de se encantarem por vestidos superiores ao vosso budget. Quando comecei a experimentar vestidos já tinha uma ideia do quanto poderia gastar, mas quando via brilhantes e rendas ignorava a etiqueta. Depois passei a comparar todos os vestidos que experimentava com o tal, acima do orçamento. 

 

6. A colaborada da loja tem um papel essencial

Não desvalorizem a importância de uma profissional paciente, proativa e disposta a ajudar. Na loja onde comprei o vestido fui atendida por uma pessoa muito bem disposta, cheia de energia e verdadeira incansável (eu sei que dei muito trabalho Lurdes (da Amour Glamour), obrigada!).

É preciso ter em mente que a colaborada da loja percebe muito mais de vestidos do que a noiva, pelo menos dos vestidos daquela loja em particular e, portanto, vai poder prestar um serviço de maior qualidade se a noiva conseguir expressar exatamente aquilo que pretende (my bad..). Façam perguntas, deixem-nas sugerir alguns vestidos, afinal, o pior que pode acontecer é não gostarem deles e não o comprarem.

 

7. Não escolhas o vestido demasiado cedo nem à última da hora

Como disse, a procura pelo vestido começou cedo, um ano e meio antes, ou seja, vi coleções antigas, novas coleções, acabei por experimentar mais do que deveria, enfim, tornou a escolha final mais dolorosa. Além disso, o corpo pode sofrer alterações nesse intervalo de tempo e os nossos gostos mudam.

Se deixares para a última da hora o problema é outro: pode não haver tempo para o vestido ser feito e teres que acabar por comprar um de amostra (não recomendo, muitos estão sujos, rasgados, transpirados, sem botões ou brilhantes) ou então compras um que não gostas tanto mas, por não teres tempo para refletir, fazes uma má escolha devido à pressão do tempo.

 

Apesar de todos os erros, aprendi muito, diverti-me ainda mais e passei tardes fantásticas com a minha família e as minhas amigas, por isso, aconselho-vos a tirarem o maior proveito possível dessa experiência!

9 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.